Bar da Dona Onça

Com a intenção de almoçar n’A Casa do Porco, fomos para São Paulo num domingo.
Chegando lá perto das 13h, pegamos a fila e uma senha que demoraria em torno de 3h para sermos chamados. Assim, resolvermos dar uma volta a pé por ali. Foi quando vimos o Bar da Dona Onça. Também com fila de espera, mas com a metade do tempo. Assim ficamos ali e foi uma surpresa positiva.
Tem uma fachada que chama a atenção, apesar de ficar numa lateral da entrada principal do edifício, algumas mesas do lado de fora e garçons tirando pedidos a todo momento.
Ao entrarmos e sentarmos na mesa, vimos que faz parte da decoração quadros com a história do restaurante e da chef, Janaína Rueda, esposa do chef Jefferson Rueda, que comanda A Casa do Porco. Sim, ficamos surpresos por não saber.
Pedimos a bebida da casa, onça pintada (tangerina com maracujá, com saquê), R$ 30.
Na dúvida pela porção de entrada, acabamos pedindo duas: croquete de carne de panela “receita da onça”, R$ 36, e bife a cavalo (cebola crocante + purê de batata + coxão mole + ovo de codorna), R$ 41. Além de lindas apresentações, são deliciosas!!
Os pratos principais escolhidos foram o clássico da onça (filé ao molho poivre + capellini na manteiga + sálvia), R$ 69, e stinco de porco caipira (com feijão tropeiro + couve), R$ 69. Ambos estavam gostosos e com porções bem caprichadas.
Para sobremesa: eu sou feliz (chantilly + caramelo + sorvete + chocolate ao leite + banana caramelada + pipoca caramelada + pão de ló), R$ 29, e trio elétrico (quindim + pudim + brigadeiro mole), R$ 24. Acabamos escolhendo a primeira sobremesa pela curiosidade de ter pipoca, mas é boa, diferente de todas que já comemos. Já a segunda, um clássico!!
Gostamos muito daqui!! Podemos colocar na lista para voltar… mas agora só depois de irmos n’A Casa do Porco.

Edifício Copan – Avenida Ipiranga, 200, Centro – São Paulo/ SP
Horário de funcionamento: de segunda a quarta-feira das 12h às 23:30h, de quinta-feira a sábado das 12h às 0:30h, domingo das 12h às 17:30h
www.bardadonaonca.com.br